POÉTICA DAS SOMBRAS

Página 9 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Ter 18 Maio 2010 - 0:24

Poleto, obrigada pela força, valeu.
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por BOI em Seg 24 Maio 2010 - 1:48

Camisa de Força

Tecei-me, ó diabo, de teu linho
A camisa de força que há de me segurar
Pois razão outra não contemplo
De deter minha mão maculada e machucada
Pelos anos de guerra e tortura.

Tecei-me, ó diabo, de teu linho
Que de força menor não virá o impedimento
De minha arte doentia
Que não nego de nenhuma forma a sua magia
De sangue, ferro e ferrão.

Tecei-me, ó diabo, de teu linho
E contemplai a medida de meu ódio
Que já é maior que meu medo
E a faca, não parai a faca nem entorpeça meu rosto
Que possa os respingos sentir.

Tecei-me, ó diabo, de teu linho
Pois que já bem tarde me encaminho ao teu encontro
Nas profundezas do abismo
Tecei-me, ó diabo, de teu linho
E vesti-me para te encontrar belo.
avatar
BOI

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/12/2008

Ver perfil do usuário http://www.recantodasletras.com.br/autores/boizin

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Poleto em Seg 24 Maio 2010 - 14:10

Olha só quem voltou em grande estilo! Smile

___________________________________________________

http://casadasalmas.blogspot.com
avatar
Poleto

Mensagens : 1550
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 38
Localização : Rio de Janeiro

Ver perfil do usuário http://casadasalmas.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Seg 24 Maio 2010 - 19:22

Boidelaire de volta, suas poesias fazem falta aqui B, bienvenido!
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Flávio de Souza em Seg 24 Maio 2010 - 19:40

Quem é morto-vivo sempre aparece...
Belos versos, Boi...
avatar
Flávio de Souza

Mensagens : 719
Data de inscrição : 17/07/2009
Idade : 42
Localização : Rio de Janeiro

Ver perfil do usuário http://www.flaviodsouza.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Qui 3 Jun 2010 - 21:07

descaminhos

Tânia Souza

e quando sinto
absurdamente tristes
ponteiros em estilhaçado labirinto
é no silêncio que a dor
de súbito emerge
é ainda calada que minh’alma chora
e aves de outrora pressinto

mas eis que a sede não saciada
a fome angustiada
a fé dilacerada
ainda existem
agourentas asas
..vagam
...........vãs
...............vagas

ah, destino, vai-te embora
tu que denso, trágico e faminto
enlaça-me, provoca-me
e deixa-me
n’algum abismo
ah, logo caminhos pressinto
ah, e mais uma vez persisto
noite se foi sem mim

e para meu lamento
procuro em desespero algum alento
e nas palavras ele vem
nas palavras torpes, tristes
belas, vagas ou vãs palavras vêm
alento das palavras de ninguém

e febrilmente teço
universos que desconheço
passos, rictos e tragédias
e com voracidade escrevo
esta cruel comédia
de um sonho que adormeço
e recrio nestas sagas
em dor que desconheço
caminho
em descaminhos

enquanto o agora inalcançável,
mas quiçá, inexorável
abraço da noite eterna não vem
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Sex 25 Jun 2010 - 15:44

noturno I

entre vultos e mistérios
palavras espreitam
espectros da noite

Por Tânia Souza

Para os amigos do fórum: brincam com sombras, mas só nos trazem luz!
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Ter 10 Ago 2010 - 16:14

Surprised
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Fiore em Dom 29 Ago 2010 - 17:43

Cinzas

No breu dos sonhos,
Dúvidas e torturas.
A esperança é luz.
avatar
Fiore

Mensagens : 179
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 57

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Dom 29 Ago 2010 - 23:06



de cinza e brisa

e numa tarde azulêncio
cinzas na brisa

são texturas de veludo
desfazendo-se ao tempo

e nas chamas que findaram
solidão no crematório

e numa tarde qualquer
o infinito se faz
de cinzas
azul
e silêncio
nas mãos de uma menina
brincando de viver

em tantas ternurinhas
o sorriso da morte





Última edição por Tânia Souza em Dom 12 Set 2010 - 10:19, editado 3 vez(es)
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Dom 29 Ago 2010 - 23:09

Fiore, bonito poetrix, criei este poema depois de ler o seu, gracias pela inspiração indireta ^^
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Fiore em Seg 30 Ago 2010 - 7:50

Tânia Souza escreveu:Fiore, bonito poetrix, criei este poema depois de ler o seu, gracias pela inspiração indireta ^^

+++

Não tem de que agradecer, niña!!!

Afinal, intertextualidade... Antropofagia... Tudo isso faz parte da criação poética.

Se seu texto fosse um outro Poetrix, teríamos um Clonix.

Coisas da linguagem Poetrix. rsrs

Também gostei da sua poesia. Parabéns!
avatar
Fiore

Mensagens : 179
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 57

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Qua 1 Set 2010 - 8:28

E quando o sol
Finalmente estilhaçado
Pelas tuas e minhas mãos
Roubar as cores do infinito
De cinzas e brumas
Os dias serão

Tudo será noite
Tudo será vazio
Fome
Dor
E desolação

Mundo sem satélite
Sem orbita qualquer
Vagando pelo infinito vago
E absurdo
De vagos mundos

Dos homens loucos que ousarem vagar
Os passos vagos serão a caça e o caçador
Serão passos de fome febre e crueldade

Até que o nada reste
Ate que o cinza impere
E tudo seja apenas vácuo
E vasta insanidade

E vasta seja
A solidão
E o caos

Passos sem guarida
Sem chuva
Sem água
Sem vida
Sem sol
Sem ar
Nem terra nem mar

Apenas a frialdade inorgânica
Crua, fria e cinza
De uma terra morta
Coberta pelos ossos
Do que outrora chamamos
Humanidade

Vilã, vitima e algoz de si
Por si e para si
Triste retrato
Planeta sem órbita
Terra cinza e fria vagando ao infinito
A eterna procura de um sol
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por BOI em Sex 3 Set 2010 - 0:45

Da cobra eu queria o veneno
Do macaco, os pés
E da tartaruga, o casco
Sucedeu-se da cobra picar o macaco
E a tartaruga fugiu correndo
Fiquei somente com meus cem braços
Braços de elefante
avatar
BOI

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/12/2008

Ver perfil do usuário http://www.recantodasletras.com.br/autores/boizin

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Sex 3 Set 2010 - 12:54

Para você Boidelaire, inspirada na surreal composição acima



Espectro

Da serpente eu quis a lábia
Ser o pecado a tentação

Da águia, a visão
O bote e a precisão

Da coruja, a sabedoria
A calma e a decisão

Mas restou-me do destino
A carne pútrida
A gripe o vírus a febre

E essa cara de abutre
A espera dos dejetos
Das feras da terra

Por Tânia Souza


Última edição por Tânia Souza em Dom 12 Set 2010 - 10:13, editado 1 vez(es)
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Sex 10 Set 2010 - 15:11

....

Frio, sangue, escuro, medo?
Ledo engano, meu amor...
Ao supor sombra e segredos,
Há o enredo do terror.

Terror, manto rubro-negro.
Oculto meu corpo neste véu sangrento.
Na sepultura em mim, não sucumbo minha dor.
Caminho por entre mortos...
Caminho sozinho, no lado ébano do amor.

Vísceras, ossos, massa decomposta
A podridão exala de minh'alma
Dessa minha maldição já posta
Que me condena a essa vida solitária.

Sou, na vida solitária,
pária, escória, vil refugo.
Jugo atroz, da vida hilária,
diária, o sangue que enxugo.

Das lágrimas faço néctar nefando
De verve amaldiçoada, avidez lasciva
Há em mim murmúrios, angústias rastejantes
E da garganta embriagada uma falange clamando
Mil vermes bradam por vingança infame

Do berne infame que me rói as carnes
Levo a lembrança de um beijo terno
E vagarei em fumos de empíreas tardes
Nas paisagens ocres do inferno!

Fiori, Marcio, Linx, Fiori, Tânia e Henry


Encontrei nos meus arquivos e, bem, não pude deixar lá quietinha né, aqui está, para matar saudade.

avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por BOI em Sab 11 Set 2010 - 22:20

Os olhos verdes da saudade

Queria eu o dom do conhecimento
Sobre a morte e sobre a vida
Ter em minhas mãos o controle da ampulheta
Que quebrou tão cedo
E com esse tal conhecimento
Reviver aqueles meu olhos verdes

Morena fria
Deitada em minha cama
Tão perto e tão sozinha
Tão bela e tão distante
Aliso a tua face fria
Tua palidez
A pele tão suave e ainda tão tenra
A juventude com cheiro de formol...

Éramos jovens uma vez
E me deixaste envelhecer sozinho
Seria maldade tua
Se um dia fosse tua a ser
Como culpar-te quando tudo que fizeste foste se cortar?
Como culpar-te se a culpa fora minha?
Não estive lá para ti
Mas não chorais morena
Que os olhos verdes ainda são meus

Foi com um pouco de sangue
Minto
Pouco para mim
Mas foi com um pouco de sangue
Um contrato
Minha alma
Que vi meus olhos verdes brilharem novamente
E enquanto meu sangue se esvaia
Deste corpo há muito desabitado
Você sorriu pra mim
Arregalados os olhos que te devolvi
Os olhos verdes da saudade
De um amor que nunca foi meu
avatar
BOI

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/12/2008

Ver perfil do usuário http://www.recantodasletras.com.br/autores/boizin

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Sab 11 Set 2010 - 23:22

Que lindo Boi, você soube mesclar tristeza, amor sombrio e trevas em um poema muito bem escrito. Gostei demasiado.
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Qua 22 Dez 2010 - 16:12


essência de uma insana urbe

E nas farpas do neon estilhaçado das esquinas
dissolveu-se enfim em gotas de um vinho azul

derramou-se tinta rubra nas calçadas
nos passos dilacerados das vielas
sangrou e riu das veias nuas
soergueu-se quimera

e era essência urbana
anjo turvo e bêbedo
era o vírus
e a febre
a lascívia
o açoite
farpas de uma eterna noite
a solidão do amanhecer que não viria

era o som de um blues faminto e triste
interrompendo taças e gargantas embargadas
trincando e entrelaçando vidas e suspiros

ela que sonhava no trigésimo andar
fez do seu último voo tatuagem rubra
na calçada de uma noite em febre

arte andrógina rabiscada em sangue e giz
sob saltos e sonhos de uma urbe insana
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Tânia Souza em Sab 22 Jan 2011 - 10:50

fome

sinto seu cheiro e o instinto só me conta
da minha fome
fome fome fome

entremeusdentesuacarne
fome fome fome

e voce escorre nos meus lábios
é tao quente baby
ah como eu quero
e meu sangue se aquece
ah, é tão quente e seu cheiro me apetece
fome fome fome

minha lascívia se embriaga em sua saliva
minha rosa azul
queimando mundo em blues

e sua alma é tão doce
que uma lágrima triste queima pele fria
e lembraria com saudade
essa alma já foi minha

você é tão doce
em minhas sombras sua luz

me dê sua boca baby
sua pele a minha febre
a minha sede
a minha verve

mas a fera ri e saliva em fome
fome fome fome
e minha lascívia se embriaga de sua saliva

e seu coração é tão doce baby
escorrendo em meus lábios
derramando-se rubis em minha pele

e o vento em seus cabelos só me trazem o seu cheiro
e o vento em minha face só me beija o seu cheiro

o luar argênteo ri e debochada a fera espia
e das sombras os dentes dilaceram a alma

eu sorvo sua lágrima
ela é tão quente baby
quando você morre
sou apenas sombras

e o seu gosto é tão doce ferindo
minha garganta embargada
dilacera meus ossos
e encontro-me em sombras

violinos baby
violinos choram
e suas lágrimas ainda queimam
minha pele fria
fria
fria
enquanto morre a alma minha

os ponteiros tristes de um relógio insano giram
ao som de violinos violentos
violinos que choram baby
em meus seios pálidos palpitam sombra e solidão
e suas lágrimas ainda queimam minha face
minha pele fria fria fria
enquanto morre alma minha
avatar
Tânia Souza

Mensagens : 2066
Data de inscrição : 27/12/2008
Idade : 41

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autores/titania

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POÉTICA DAS SOMBRAS

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 9 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum